Logo de II ConER

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Entendi

Informe as credenciais

Fechar janela

Ainda não possuo cadastro

Esqueci minha senha

Anais do Evento

Download do arquivo PDF dos Anais do II Congresso de Energias Renováveis

BIOMASSA

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ENERGÉTICO DA TORTA DE MAMONA PARA A PRODUÇÃO DE BRIQUETES

Leonardo Montaño Simonato1, Andrea C. de Conti1, Fábio M. Yamaji2, Gabriel T. Machado2

1Universidade Estadual Paulista, Engenharia de Energia, Rosana, Brasil, 2Universidade Federal de São Carlos, Depto. de Ciências Ambientais, Sorocaba, Brasil
E-mail: leonardo.m.simonato@unesp.br
A torta de mamona é um subproduto da cadeia produtiva da mamona (Ricinus communis L.), produzida a partir da extração do óleo das sementes desta oleaginosa. O Brasil é um dos três maiores produtores de mamona e óleo de rícino do mundo. A avaliação do potencial energético da torta de mamona pode ser uma alternativa a fim de dar um uso para esse resíduo. O presente trabalho consiste no aproveitamento da torta de mamona para a confecção de briquetes e assim verificar o seu possível potencial energético através do poder calorífico superior (PCS), análise química imediata e também do seu transporte e armazenamento através do teste de durabilidade. Foram confeccionados 15 briquetes e analisadas suas propriedades físico-químicas a partir do resíduo de torta de mamona. Determinou-se o PCS (através de bomba calorimétrica marca Ika, modelo C-5000, norma ASTM D-5865), a análise química imediata (Norma ABNT/8112) e densidade a granel (Norma E873-82). O PCS do resíduo analisado foi de 16.432 kJ/kg. Todas as análises foram feitas em triplicata. Na análise química imediata obteve-se os valores médios de 16,46±0,74% para o teor de cinzas, 64,18±0,28% para teor de matérias de voláteis e 19,39±0,50% para o teor de carbono fixo. Os briquetes produzidos de torta de mamona foram realizados sem classificação granulométrica e com umidade de 13,42%.Quanto ao teste de durabilidade obteve-se o valor médio de 81,63±02,95%. Para fins de comparação tomamos a madeira de clones de eucalipto (Eucalyptus), que apresenta o PCS de 18.605 kJ/kg e os valores médios de 0,35% para o teor de cinzas, 83,85% para teor de matérias de voláteis e 15,85% para o teor de carbono fixo. Dessa forma, conclui-se que a torta de mamona apresenta razoável quantidade de cinzas e baixa quantidade de materiais de voláteis e uma maior quantidade de carbono fixo, e um PCS de 88,32% do valor do PCS da madeira de eucalipto. Portanto, conclui-se que a torta de mamona apresenta características razoáveis para ser usada como material na densificação energética tornando-se um bom resíduo a ser aproveitado energeticamente, além de apresentar uma razoável durabilidade, porém estudos futuros devem ser feitos para melhorar a estrutura desse briquete.

Palavras-chave: biomassa, bioenergia, densificação energética.

Agradecimentos: Os autores agradecem a FAPESP pelo apoio, processo nº 14827-8 e o grupo de pesquisa BioJoule.


Pesquisa por resumos apresentados

Pode-se escolher por um ou mais filtros de pesquisa