Logo de II ConER

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Entendi

Informe as credenciais

Fechar janela

Ainda não possuo cadastro

Esqueci minha senha

Anais do Evento

Download do arquivo PDF dos Anais do II Congresso de Energias Renováveis

BIOMASSA

TEMPERATURA DE PIRÓLISE E SUA INFLUÊNCIA NA PRODUÇÃO DE BIOCHAR DE CASCA DE Eucalyptus sp.

Alan Vitor Galmacci da Silva1, Ariane Aparecida Felix Pires1, Fabio Minoru Yamaji1

1Universidade Federal de São Carlos, Depto. de Ciências Ambientais, Sorocaba, Brasil
E-mail: allan.galmacci@gmail.com
Atualmente o Brasil é o maior produtor de celulose e se encontra com o setor em constante crescimento. Contudo, uma quantia substancial de resíduos sólidos na forma de casca é produzida, e acaba não sendo reaproveitada. O biochar, composto rico em carbono produzido por meio da pirólise da biomassa em sistemas com ausência ou entrada limitada de oxigênio surge como uma alternativa para o uso da casca, todavia, o seu custo de produção acaba sendo mais elevado devido as séries de tratamentos que devem ser tomados e a energia demandada. O objetivo desse trabalho é definir um processo de pirólise (temperatura) para a produção de biochar, que componham um menor gasto energético no processo e bom rendimento gravimétrico a partir da casca de Eucalyptus sp.. As temperaturas de pirólises utilizadas foram de 250ºC, 300ºC e 350ºC, sendo todas com tempo de residência de 2 horas e em triplicata. Os biochars foram submetidos aos testes de teor de voláteis, cinzas, carbono fixo e rendimento gravimétrico. Os resultados obtidos passaram pelo teste ANOVA a 5% de significância. Foi possível observar que o aumento da temperatura favoreceu o aumento de carbono fixo, sendo o teor do biochar de 350ºC duas vezes maior que a proporção do de menor temperatura (250ºC). Por outro lado, proporção de voláteis apresentou caminho inverso do teor de carbono fixo, o biochar de 250ºC apresentou o dobro do percentual do de 350ºC. As quantidades relativas de cinzas não apresentaram variação significativa. O rendimento demonstrou ser maior nos tratamentos de 250ºC e 300ºC, atingindo 73% e 50%, respectivamente. Portanto, levando em consideração o gasto energético para produzir biochar de temperaturas de 250ºC e 300ºC, o rendimento do material e o teor de carbono fixo, é possível inferir que a temperatura mais adequada de pirólise para a produção de biochar é 300ºC.

Palavras-chave: biomassa, resíduo lignocelulósico, reaproveitamento.

Agradecimentos: CNPq, PIBIC, Grupo de Pesquisa Biomassa e Bioenergia


Pesquisa por resumos apresentados

Pode-se escolher por um ou mais filtros de pesquisa