Logo de II ConER

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Entendi

Informe as credenciais

Fechar janela

Ainda não possuo cadastro

Esqueci minha senha

Anais do Evento

Download do arquivo PDF dos Anais do II Congresso de Energias Renováveis

BIOMASSA

ESTUDO DA EXTRAÇÃO POR SOLVENTE DE ÓLEO DE MACAÚBA

Vitória Ricardo da Rocha1, Joyce Emanuelle Pinheiro Barbosa1, Amanda Santana Peiter1

1Universidade Federal de Alagoas
E-mail: vitoriaricardo98@gmail.com
O Brasil é referência quando se trata de extração de óleo para a produção de biodiesel. Um dos obstáculos é procurar oleaginosas que tenham potencial para produção de biodiesel, já que a oleaginosa mais utilizada nacionalmente com fim energético é a soja, que tem somente 19% de óleo. Uma das oleaginosas com grande potencial energético é a macaúba. A palmeira macaúba (Acrocomia aculeata) é uma espécie nativa das florestas tropicais, cuja característica principal é a presença de espinhos longos e pontiagudos na região dos nós. Recentemente, a espécie tem sido vista como uma excelente alternativa para a produção de biocombustível, que é fabricado a partir da “carne” do fruto e da amêndoa. A retirada do óleo pode ser por três tipos de extrações: mecânica, por solvente e mista. O processo mecânico é o mais popular, econômico e antigo, porém apresenta menor rendimento, visto que no final do processo obtém-se uma torta que ainda contém óleo. A extração por solvente ou extração sólido-líquido apresenta alto rendimento com pouco óleo residual. A solução resultante é chamada de miscela (óleo+solvente) que é removida do extrator e encaminhada para um evaporador para a remoção do solvente. Depois que o solvente é removido completamente, obtém-se um extrato concentrado. A extração mista é a junção do processo mecânico com o processo por solvente. Este trabalho foca o estudo da macaúba por extração por solvente. Os solventes utilizados foram o metanol e o hexano, com tempos de 3 e 5 horas. Foi possível observar que a extração por hexano teve um teor de óleo maior quando comparado a extração por metanol. Enquanto por hexano o maior teor de óleo foi de 54,38% ; por metanol foi 47,02% . O tempo que a amostra permanece no ciclo com o solvente também é significativo e notou-se que quanto mais tempo maior é o teor de óleo. O maior tempo conseguiu retirar um teor maior de óleo da amostra, mostrando que maiores tempos podem ser estudados para verificar se é possível extrair um maior teor de óleo de solvente sem agravar significadamente a energia utilizada no processo.

Palavras-chave: extração sólido-líquido, oleaginosa, biocombustíveis.

Agradecimentos: UFAL, CECA, PIBIC.


Pesquisa por resumos apresentados

Pode-se escolher por um ou mais filtros de pesquisa

O congresso visa o encontro de profissionais, pesquisadores, centros de pesquisa, empresas e universidades para debater o uso e aplicação dos tipos de energias renováveis, bem como sua importância na sociedade, incentivando a pesquisa e o desenvolvimento científico por meio de palestras e apresentações de trabalhos.