Logo de II ConER

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Entendi

Informe as credenciais

Fechar janela

Ainda não possuo cadastro

Esqueci minha senha

Anais do Evento

Download do arquivo PDF dos Anais do II Congresso de Energias Renováveis

BIOMASSA

Caracterização de biomassas para o processo de pirólise rápida

Adriana Garcia1, Ana Paula de Souza Silva1, Marcelo Aparecido Mendonça1, Vittor Rodrigues Santos Alves1

1Instituto de Pesquisas Tecnológicas do estado de São Paulo - IPT
E-mail: adrianag@ipt.br
O objetivo desse trabalho foi caracterizar cinco tipos de diferentes biomassas que serão utilizadas em ensaios de pirólise rápida. Foram utilizados amostras de cavaco e casca de Eucalyptus sp, bagaço e palha de cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.) e resíduos alimentares proveniente do restaurante do Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT. As amostras foram caracterizadas in natura sendo necessária uma preparação das amostras conforme a ASTM E1757 e DIN EN14870. Foram realizadas as análises imediata (Umidade, Cinzas, Material Volátil e Carbono Fixo), elementar (CHNOS) e poder calorífico das cinco biomassas. A eficiência energética das biomassas está relacionada com a umidade, sendo um dos responsáveis pela redução do poder calorífico. As amostras das biomassas foram ensaiadas e o valor de umidade obtido foi por volta de 40%. Para a determinação da umidade foram utilizadas as normas ASTM D1756-8 e ASTM D871. O teor de cinzas foi obtido pela combustão da biomassa em mufla até massa constante, conforme metodologia da ASTM E1755 e ASTM D1102-84. Os compostos voláteis foram determinados aquecendo a amostra de biomassa em diferentes temperaturas com tempos estabelecidos, seguindo o método ASTM D1762-84 e para o cálculo do carbono fixo, utilizou-se a ASTM D3172. Também foram utilizadas normas internacionais na caracterização das biomassas, os teores de CHN, ASTM D5373 método A, foram determinados pelo processo de óxido redução e após a separação, o analisador detectou os gases CO2, H2O e NO2. O infravermelho foi a técnica utilizada para determinar o teor de enxofre das biomassas que por meio da combustão à 1350°C, o enxofre é oxidado em dióxido de enxofre (SO2), conforme a ASTM D4239. Para o cálculo do teor de oxigênio, foi utilizada a norma ASTM D3176. A determinação do PCS seguiu o método ASTM D14918, que consiste na combustão de uma pastilha utilizando uma bomba calorimétrica pressurizada, os valores obtidos indicam utilizá-las para queima. O PCI é calculado subtraindo a quantidade de energia liberada durante a condensação da água. A caracterização das biomassas é importante para as propriedades inerentes que poderão estar relacionadas às características dos bio-óleos que serão gerados no processo de pirólise rápida.

Palavras-chave: biomassa, potencial energético, bio-óleo.

Agradecimentos: FIPT (Fundação de Apoio ao Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo) e IPT.


Pesquisa por resumos apresentados

Pode-se escolher por um ou mais filtros de pesquisa