Logo de II ConER

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Entendi

Informe as credenciais

Fechar janela

Ainda não possuo cadastro

Esqueci minha senha

Anais do Evento

Download do arquivo PDF dos Anais do II Congresso de Energias Renováveis

BIOMASSA

Rendimento em carvão vegetal da casca da semente de Araucaria angustifolia (Bert.)O.Ktze.

Danielle Affonso Sampaio1, Alfredo José dos Santos Junior1, Gabriela Fontes Mayrinck Cupertino1, Ana Carolina Lindolfo de Oliveira1, Ananias Francisco Dias Júnior2, Roberto Carlos Costa Lelis1

1Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2Universidade Federal do Espírito Santo
E-mail: danitheu@gmail.com
O tegumento do pinhão é um resíduo gerado pela utilização do pinhão na culinária brasileira. Apresenta um teor de lignina em torno de 30%. Essa característica faz do tegumento um material com potencial para a sua utilização como fonte de energia renovável. Assim, este estudo teve por objetivo verificar o rendimento em carvão e realizar a análise química imediata da casca do pinhão. As sementes de Araucaria angustifolia foram obtidas de plantios localizados na região de Passa Quatro-MG. As sementes foram transportadas para o Laboratório de Tecnologia da Madeira do Departamento de Produtos Florestais (IF-UFRRJ) e descascadas de modo a separar o tegumento das amêndoas. A casca do pinhão foi submetida ao processo de carbonização em um forno tipo mufla marca Lavoisier modelo 4008, compondo três tratamentos, de acordo com as temperaturas máximas alcançadas: 300º C (T1), 400º C (T2) e 500º C (T3), para cada tratamento foram realizadas três repetições. Após o resfriamento do carvão, o rendimento foi obtido de forma gravimétrica. Para a análise química imediata, o carvão foi triturado com auxílio de almofariz e pistilo e posteriormente classificado entre as peneiras de 40 e 60 mesh. Os teores de materiais voláteis, carbono fixo e cinza foram calculados de acordo com a ASTM D1762-84. Os rendimentos gravimétricos em carvão encontrados para T1, T2 e T3 foram, respectivamente, 57%, 38% e 32%. Os valores percentuais obtidos na análise química imediata para T1, T2 e T3 foram, em ordem, carbono fixo (46,29%, 63,01% e 80,73%). Os valores encontrados para o rendimento em carvão são próximos aos relatados na literatura para madeira. Os valores de carbono fixo apresentam uma relação diretamente proporcional com aumento da temperatura. Foi possível determinar o rendimento em carvão e carbono fixo da casca do pinhão.

Palavras-chave: aproveitamento de resíduos, carbonização, pinhão.

Agradecimentos: (CAPES) – Código de Financiamento 001


Pesquisa por resumos apresentados

Pode-se escolher por um ou mais filtros de pesquisa